Se o estagiário errou ao recolher as custas do recurso, tem solução?

Se o estagiário errou ao recolher as custas do recurso, tem solução?

Sim!!!!!!

(piadas à parte… Sempre botamos a culpa no estagiário!!! :p )

Esta novidade decorre do novo princípio da primazia da decisão de mérito. Aqui, o art. 1.007 detalha cada hipótese de falha no pagamento de custas, até mesmo o não-pagamento.

São dois os casos mais frequentes:
1. Pagamento em valor menor. Solução: 5 dias para complementar.
2. Não pagamento no prazo de interposição do recurso. Solução: Pagamento do valor em dobro no prazo de 5 dias.

Art. 1.007.  No ato de interposição do recurso, o recorrente comprovará, quando exigido pela legislação pertinente, o respectivo preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, sob pena de deserção.

§ 1o São dispensados de preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, os recursos interpostos pelo Ministério Público, pela União, pelo Distrito Federal, pelos Estados, pelos Municípios, e respectivas autarquias, e pelos que gozam de isenção legal.

§ 2o A insuficiência no valor do preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, implicará deserção se o recorrente, intimado na pessoa de seu advogado, não vier a supri-lo no prazo de 5 (cinco) dias.

§ 3o É dispensado o recolhimento do porte de remessa e de retorno no processo em autos eletrônicos.

§ 4o O recorrente que não comprovar, no ato de interposição do recurso, o recolhimento do preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, será intimado, na pessoa de seu advogado, para realizar o recolhimento em dobro, sob pena de deserção.

§ 5o É vedada a complementação se houver insuficiência parcial do preparo, inclusive porte de remessa e de retorno, no recolhimento realizado na forma do § 4o.

§ 6o Provando o recorrente justo impedimento, o relator relevará a pena de deserção, por decisão irrecorrível, fixando-lhe prazo de 5 (cinco) dias para efetuar o preparo.

§ 7o O equívoco no preenchimento da guia de custas não implicará a aplicação da pena de deserção, cabendo ao relator, na hipótese de dúvida quanto ao recolhimento, intimar o recorrente para sanar o vício no prazo de 5 (cinco) dias.

Outros textos sobre o assunto:

Como identificar se é caso para Recurso Extraordinário?

Art. 4º: STJ botando em prática o Novo CPC

Art. 4º: Entrei com RE quando era caso de REsp. Tem solução?

Art. 4º: Preciso tomar ciência para apelar? NÃO!

Art. 4º: Embargos de Declaração rejeitados. Preciso ratificar apelação?

Art. 15: Doce ilusão! O CPC/15 se aplica aos processos administrativos também!

Art. 10: Juiz pode inverter o ônus da prova na sentença?

Art. 4º: Não juntei procuração no agravo de instrumento! Tem solução?

Art. 4º: Combate ao excesso de formalismo!

 


NOVO: Já conhece as vídeo-aulas? Acesse aqui e aprenda sobre o novo CPC de forma leve e descontraída.

Como já sabem, vou seguir com publicações frequentes aqui no site, e em minha página do Facebook, e além da coluna no JusBrasil. Me acompanhe e fique por dentro das novidades do Processo Civil.

, , , , ,